happines is found inside your heart.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Meus dias cariocas - parte I - primeiro dia

Eu saí de São Paulo às 1h15min de um sábado dentro um ônibus com pessoas que eu não sabia se estavam na mesma situação que eu, e o que iriam fazer na minha cidade (risos). A ansiedade me corroía, mas não era uma ansiedade ruim, era uma coisa boa, mesmo ao sentir uma dor de estômago, a dor da ansiedade (pelo menos comigo, sempre que eu fico ansiosa, eu sinto essa dor). Enfim, conversei com o amigo ao lado sobre o Rio, falamos várias coisas e eu acabei dormindo, afinal, eu tinha trabalhado e estudado aquela sexta para o sábado.
Primeira parada de vinte minutos em Rezende, eu já estava no Rio, a ansiedade já estava controlada, eu me sentia carioca, como se eu estivesse voltando do lugar onde eu não deveria ter saído. Comi alguma coisa às 4h, não sei porque, eu não sinto fome nesses horários. Voltei para o ônibus e tentei dormir, não consegui, fiquei acordada até às 5h30 (mais ou menos), começara a clarear e eu não conseguia manter os olhos abertos, eu queria ver tudo, queria ver as cidades por onde eu passava e os lugares bonitos. Só acordei na rodoviária do Rio às 7h15min.
Nós só poderíamos dar Chek-in no hotel às 12h. O amigo e eu resolvemos ir para a Zona Sul. Pegamos um ônibus na rodoviária e descemos em Copacabana. Fomos andando e eu já totalmente encantada com a beleza do Rio de Janeiro. Tirei os óculos de grau para não ficar embaçado com a maresia e, cega, continuei a andar, encontrei com Drummond, ele estava me esperando sentado num banco (risos). Conversamos e, claro, tenho uma foto com ele, saí e continuei a andar, encontrei Dorival Cayme, ele me deu um abraço! Foi divino.
Em seguida, entrei no parque Garota de Ipanema e me sentei num banco e fiquei apreciando a beleza do mar, como o mar é lindo, eu ficaria horas e horas só olhando para as ondas que me davam medo só de imaginar que eu poderia entrar naquela água (eu não entrei, eu só molhei o pé. Pra quem não sabe, eu morro de medo do mar, mesmo achando ele uma das mais belas maravilhas.).
Procurei meus óculos, afinal, eu estava cega por muito tempo... cadê? Eu não sei, caiu ou Drummond pegou-os de mim rs. Isso não me importa mais, eu perdi e como ele dizia: sofrer por isso é uma opção. Tomamos café e fomos para a Lapa, onde ficamos hospedados. O Hotel ficava na Mem de Sá, ao lado do fervo, bem perto dos Arcos da Lapa, Circo Voador e Fundição Progresso. Almocei e dormi (acreditem, eu dormi). Por volta de umas 16/17h fomos conhecer a Lapa, andando e andando, chegamos no Flamengo. Continuamos andando e fomos para Botafogo (algo que me impressionou no Rio é que o tempo não passa e é tudo muito perto de tudo), fiquei, mais uma vez parada por muito tempo olhando tudo e apreciando, era tudo muito lindo pra mim, como se eu não estivesse acostumada a ver tanta beleza de uma só vez.
Depois disso, por volta de umas 20h, fomos procurar algum lugar pra jantar. Encontramos o "verdinho" da Cinelândia, que fica bem em frente ao metrô, acho que é assim que é chamado. Comi um peixe maravilhoso que eu não tenho como explicar, é só você ir pra comer e provar você mesmo rs.
Voltamos para o hotel por volta das 22h, a Lapa fervia naquele sábado. Pessoas indo e vindo. Não podíamos ficar por lá, tínhamos que acordar cedo no outro dia para poder fazer uma prova.
Voltamos para o hotel e fomos dormir.

continua...

Um comentário:

Escaminha disse...

Ahh o Rio...
Sou suspeita pra falar dele.
E cada vez q eu volto de lá, eu tenho a certeza q o dia q eu irei de vez, está cada vez mais perto!