happines is found inside your heart.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Caio me dilacerando

Já não tenho mais dúvidas de que esse homem me conhecia. Sabe quando você se encontra? É disso que eu to falando.

Lá está ela, mais uma vez. Não sei, não vou saber, não dá pra entender como ela não se cansa disso. Sabe que tudo acontece como um jogo, se é de azar ou de sorte, não dá pra prever. Ou melhor, até se pode prever, mas ela dispensa.
Acredito que essa moça, no fundo gosta dessas coisas. De se apaixonar, de se jogar num rio onde ela não sabe se consegue nadar. Ela não desiste e leva bóias. E se ela se afogar, se recupera.
Estranho é que ela já apanhou demais da vida. Essa moça tem relacionamentos estranhos, acho que ela está condicionada a ser uma pessoa substituta. E quem não é?
A gente sempre acha que é especial na vida de alguém, mas o que te garante que você não está somente servindo pra tapar buracos, servindo de curativo pras feridas antigas?
A moça…ela muito amou, ama, amará, e muito se machuca também. Porque amar também é isso, não? Dar o seu melhor pra curar outra pessoa de todos os golpes, até que ela fique bem e te deixe pra trás, fraco e sangrando. Daí você espera por alguém que venha te curar.
Às vezes esse alguém aparece, outras vezes, não. E pra ela? Por quem ela espera?
E assim, aos poucos, ela se esquece dos socos, pontapés, golpes baixos que a vida lhe deu, lhe dará.
A moça – que não era Capitu, mas também têm olhos de ressaca – levanta e segue em frente.
Não por ser forte, e sim pelo contrário… Por saber que é fraca o bastante para não conseguir ter ódio no seu coração, na sua alma, na sua essência. E ama, sabendo que vai chorar muitas vezes ainda. Afinal, foi chorando que ela, você e todos os outros, vieram ao mundo.

Caio Perfeito Fernando Abreu.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

redescobrir

e quando eu penso que você pode ter dormido novamente (dentro de mim), vem você e levanta voraz, me derruba no chão e eu fico sem saber o que fazer. daí você some.

domingo, 21 de agosto de 2011

O meu desconhecido Rio

Talvez nem eu mesma entenda porque a minha vontade absurda de ir embora. E ainda mais, a minha vontade absurda de ir embora para o Rio (de Janeiro). Eu não conheço o Rio, não tenho ideia de como é o Rio, não sei se me acostumo com o lugar, com as pessoas, com a vida nova (claro que me acostumo, eu me acostumo com coisas mais difíceis).
Eu não entendo, mas o que eu sei é que sou fascinada pelo desconhecido, eu gosto mais do que não conheço do que aquilo que eu vejo sempre, aquilo que já sei como é. Sei que pode haver muitas pessoas que pensam como eu (ou que queiram pensar e agir como eu), mas tem pessoas que não sabem o que eu quero dizer, ou fazer. Não me importa.
Se eu tenho medo?
Tenho sim. Mas não penso nisso.

Sem dizer...

Isso acontece quando eu me sinto muito apaixonada, muito romântica, muito carente, muito querendo muito. Muito cheia de vontades, cheia de desejos.
Um desejo de agora?
Quero ir embora. Quero ir porque o Rio de Janeiro me chama e ele já tá gritando, quero ir-me embora da terra da garoa, quero voar pra cidade maravilhosa. Sinto como se aqui não me coubesse mais, preciso de ares novos, preciso de pessoas novas, sotaques novos, vida nova.
To a pensar como Moska em "Sem dizer adeus". Por que é tudo o que eu quero?!



O vídeo antigo me trouxe tanta coisa.
Talvez eu queira e preciso mudar a oração:
Eu preciso me livrar de todo o mal.
Amém.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Carta de saudade para uma grande amiga

Oi, minha linda, como você está?
Saiba, estou com muitas saudades de você e não sei mais o que fazer. Quero te ver e ponto final.
Assim que ler esse e-mail me responda com uma ligação dizendo onde está que eu darei um jeito de te encontrar e eu falo sério.
Sábado tem show do Monobloco e eu juro que queria estar lá com a sua pessoa, se eu tivesse dinheiro eu te daria o ingresso. Existem outras coisas que quero fazer com você, mas temos um pouco mais de tempo.
Eu não desisti de você, amiga. Não mesmo. Você é importante e eu sei do seu tempo (mesmo eu estando desesperada para vê-la). Saiba que eu não vou desistir, isso é fato!!!
Eu sempre penso em você, fico imaginando o que você está fazendo, como está a sua vida, tudo, Y. linda! Quero saber como andam os seus projetos, as músicas, os clipes, tudo o que você está fazendo e vivendo. Quero saber dos seus amores, seus desamores, seus momentos, suas dores. Tudo!
Eu tenho milhões de coisas pra te contar. Coisas que quero compartilhar com você, coisas que aconteceram e coisas que eu quero que saiba, os meus planos mirabolantes que mudam a cada segundo. Estou pensando na nossa tatuagem. O que podemos fazer, não é só uma peça de quebra cabeça, você é mais que isso. Então, o que mais poderia simbolizar esse amor de amiga-irmã que criamos.
Eu to vivendo umas coisas loucas, sabe? Querendo fazer outras coisas que não passaram pela minha cabeça antes, o que antes, pra mim, era um hobbie hoje eu quero seguir como carreira de vida. Pode ser que amanhã eu mude de ideia e não queira mais nada. Mas, mesmo assim, queria compartilhar esse meu momento contigo.
Eu quero sair, viajar, viver, conhecer pessoas. Eu to numa adrenalina da vida que não é minha.
E tudo isso, eu queria que você soubesse. Queria te ouvir.

Y., meu amor.
Eu te amo e não tenho medo de te dizer isso.

domingo, 7 de agosto de 2011

doidos, doidos, doidos, doidos...

apaixonada por ela (Zélia).

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Para óculos escuros

Ela estava na loja de conveniência em frente ao prédio, não estava lendo Maiakovski e ninguém da fila do pão sabia que ela o tinha encontrado. Nem ela mesmo o tinha encontrado. Foi ao sair da loja e ao atravessar a rua para entrar no prédio, que ela se depara com um homem da pele clara, cabelos negros e óculos escuros. Ela pensou: Será que eu o encontrei?