happines is found inside your heart.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

última postagem do ano II

hoje é o tal do natal e me veio lembranças de quanto eu tinha uns cinco ou seis anos, eu lembro que íamos quase sempre pra casa de algumas tias e quando eu chagava lá ficavam me falando pra eu repetir as palavras "Feliz Natal!" e eu sem saber direito o que eu estava falando... repetia. lembro-me bem de uma tia minha que quando eu cheguei segurou a minha mão e disse "como que fala hoje?" e eu fiquei muda rs, foi engraçado, depois ela falou "fala 'Feliz Natal'" e sim, eu falei com cara-de-bunda. (talvez fosse por causa dessas ocasiões - e algumas outras - que diziam que eu era uma criança chata rs, hoje dizem isso por outros inúmeros motivos que não vem ao caso hehe).
lembro também que minha mãe me carregava pra casa de várias pessoas pra ficar desejando isso aí, várias amigas dela, na verdade. ela tinha uma que morava umas três casas depois da minha, eu não sei bem por quê, mas eu adorava ir pra casa dela. lembro de uma vez que ela me deu um cacho de uvas verdes e eu me acabei na cozinha comendo uva enquanto as outras pessoas brindavam com cidra de maça, eu acho mesmo que era isso. a minha memória não é das melhores, ainda mais quando se trata da minha infância, mas eu consigo lembrar dessas coisas. lembro também (nessa mesma noite) que eu queria provar aquela coisa que brindavam (o que eu acho mesmo que era a tal cidra) e tomei do copo de alguém que deixou na mesa, não lembro qual foi a minha reação ao provar, mas também seria lembrar de muita coisa. eu não me lembro se nessa noite era natal ou ano novo, acho que não importa, não agora.
eu lembro de outros natais, mas também, não importa agora.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

última postagem do ano.

talvez seja também a mais chata. por que eu to chata, eu acordei chata e de mau-humor, acho que ainda não passou, enfim...
muitas coisas estão me cansando.
Internet me cansa;
pessoas me cansam;
músicas ruins me cansam;
trabalho me cansa;
a falsidade das pessoas me cansa;
acho que isso tudo é culpa do natal. eu não gosto de natal e festas e a falsidade das pessoas no fim do ano. além de parecer que o mundo vai acabar no dia 24 às 00h00, as pessoas tem que comer até se entupir, fazer unha, arrumar cabelo e comprar uma roupa nova. rs pode ser que não seja assim em todos os lugares, mas na maioria é o que eu vejo. odeio a cidade suja, essas luzes em todos os lugares possíveis e imagináveis. sim, eu acho que a cidade está horrível. fico até perdida quando ando em algum lugar a noite, é como se eu não estivesse passado por lá nunca em minha vida. fora o trânsito (ok, São Paulo já tem trânsito normalmente) que fica quando as pessoas vão ver a porcaria de uma árvore gigante e feia, ou quando vão ver uma apresentação estranha de um papai noel muito mais estranho que tudo que se viu.
sabe outra coisa que me cansa (que não tem nada a ver com o natal, mas vi isso esses dias num ônibus)? ver pessoas lendo zíbia gaspareto, mônica de castro, chico xavier e afins, ver pessoas chorando com esses livros me cansam mais ainda.
mas como dizia um amigo de muito "é melhor ser analfabeto do que ler esse tipo de coisa".
será alguém que lê esse bendito (ou maldito?) blog lê esse tipo de livro? nem vou pedir desculpas, porque eu não vou mudar de opinião, é foda, é to beeeem chata. pode ser que o ano que vem mude alguma (ou muita) coisa.
eu quero escrever muito mais, mas vai ser só para mim agora.
ósculos.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

eu também me senti muito bem de um jeito que eu não me sentia há muito tempo

eu te gosto.
sim, isso me basta!
ter você me basta!
o teu cheiro me basta!
suas mãos me bastam.
é, você todo me basta!
e me faz bem,
(ou mais que isso.)

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

grande.

eu quero muito ir para um outro lugar.
lugar com menos pessoas, menos trânsito, menos poluição. menos tudo que há aqui em São Paulo. me sinto como se eu já estivesse meu limite. é tudo muito estressante.
eu quero andar pela casa com móveis antigos, quero morar no meio do mato (rs) plantar e colher. é foda. São Paulo é grande demais e eu me sinto tão pequena no meio disso tudo.

Cabeceira

Intratável.
Não quero mais pôr poemas no papel.
nem dar a conhecer minha ternura.
Faço ar de dura,
muito sóbria e dura,
não pergunto
"da sombra daquele beijo
que falei?"
É inútil
fica à escutar
ou manobrar a lupa
da admiração.
Dito isto
o livro de cabeceira cai ao chão.
Tua mão que desliza
distraidamente
sobre a minha mão

Ana C.

hum, é. é, muito!

é bom sentir o seu cheiro a noite toda. é bom, também, ter os braços me cobrindo e me protegendo do frio dessa cidade estranha. é, melhor ainda, dar todos os beijos que eu te guardei.

é, eu te gosto, sim.
(é muito!)

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

de Caio

(Achei no blog da Má)
Coisa mais linda.

'Fiquei feliz em poder sentir tua falta, - a falta mostra o quão necessitamos de algo/alguém. É assim o nosso ciclo. Eu te preciso. Perto, longe, tanto faz. Preciso saber que tu está bem, se respira, se comeu ou tomou banho - com o calor que está fazendo neste verão, tome pelo menos uns três ao dia, e pense em mim, estou com calor também. Me faz bem pensar nessas atividades corriqueiras, que supostamente você está fazendo. Ah, e eu estou te esperando, com meu vestido longo, óculos escuros grandes e meu coração pulsando forte, e te abraçar até sentir o mundo girar apenas para nós. É, eu amo muito você.'

Ana C.

Sem você bem que sou lago, montanha.
Penso num homem chamado Herberto.
Me deito a fumar debaixo da janela.
Respiro com vertigem. Rolo no colchão.
E sem bravata, coração, aumento o preço.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

eu quero é tocar pandeiro!

eu te escrevi uma carta e não mandei, aquela coisa do tempo ainda, como se eu não tivesse sobrando. eu tenho um livro aqui pra você aquele que te prometi, já faz mais de um ano, é, fez aniversário. você vai se mudar e nada chega. eu não sinto vergonha da demora, eu sei que você não liga para isso, talvez, no fundo eu sinta um bocado, mas eu acho que eu perdi a mesma há um bom tempo e não sei se quero achá-la agora. não agora. não para mim e nem pra você.
hoje eu fiz loucuras que eu sinto falta de te contar, mesmo tendo esse mundo cheio de tecnologias a gente não se encontra mais, você é uma pessoa estranha, mas uma estranha que gosta de saber das minhas besteiras e pensa como eu em diversas coisas ou será que pensamos tudo diferente e por isso as coisas se encaixam? a não ser que você me engane muito bem, mas eu não quero saber. na verdade, eu já falei muito.
o que eu quero mesmo é tocar pandeiro.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

música do dia



"lembra do nosso abraço, beijo, sexo..."