happines is found inside your heart.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Recém-casados

Ela
Sem saber o que fazer,
errada nas certezas.
Sozinha em sua casa,
distraída na tristeza,
começou o seu jantar
comendo a sobremesa.

Eu
Já não pude me conter
diante de tanta beleza:
invadi a sua vida
como quem sai à francesa.
Terminei o seu jantar
comendo-a sobre a mesa.

Sr. Escaleno.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

enquanto o telefone não toca, eu escrevo sem parar algo que não vale a pena ler

o sono bateu e eu não quero dormir, eu tenho um livro para terminar de ler, estou no fim, as últimas páginas e não consigo, já até falei aqui sobre isso, da felicidade clandestina, não falei? falei, eu lembro que eu falei, mas enfim, talvez você não lembre, ou não tenha lido, não felicidade clandestina, mas o que eu escrevi sobre. eu nem gosto de clarice, é eu não gosto, eu não entendo, não sinto, não gosto, não sei porque tem essa história de sentir, sentir porra nenhuma, pra mim ela nunca passou nada, e nunca consegui terminar um livro dela, e quero que se foda. eu consigo senitr sim e eu sinto com o marcelo, com o caio, com a ana, ah ana, a ana sim é para sentir, entender, querer e querer.
sabe, tem uma semana que eu venho aprendendo várias coisas (e nem sei se isso está certo, mas enfim, não ligo, não agora) e aprendi que adoro essa coisa meio saramago, sem pontuações exatas, só as minúsculas, esse tipo de coisa meio anos 40/50 (é, sem mais) . ah eu não ando me entendendo há muito e não espero que você entenda também, nem ando sentindo rs. piada infame que eu não poderia perder, claro.
hoje eu to com bobeira. huum, essa frase me lembra algo muito bom. algo que eu não posso (ou seria 'eu não quero'?) falar.
eu já não to falando nada com nada mesmo, tá tudo bem desconexo aqui, sabe, tudo isso porque eu estou esperando um telefonema e vou escrever até o telefone tocar, acho que eu ainda tenho uns vinte minutos, ou esse pode ser um dos maiores textos, mas o tamanho não interfere em nada, assim como a árvore não altera o passarinho (e salve tulipa), sim, um texto bem chato que ninguém irá ler até o fim, porque eu sou louca rs, ou eu estou louca? mas pra que ser normal? o normal não tem nenhuma graça e o normal não existe.
hoje ouvi músicas tão belas, eu deveria colocar uma delas aqui, mas não, hoje quero ser egoísta, quero guardar a beleza de cada uma delas pra mim, só pra mim e ninguém mais. é melhor assim, me sinto melhor assim. e, ultimamente, ando fazendo só o que me faz bem. já passei dela, a fase de loucura, fazer o que é bom para ver o outro bem, não exatamente assim, sou do tipo que faz para ver o outro bem, só esqueço de mim, e agora, não mais. isso não tem nada a ver, como muita coisa nesse texto idiota, mas como eu to escrevendo tudo que vem na cabeça eu tenho que escrever isso, e essas coisas daqui são estranhas, e aaaa me dá medo. eu não gosto quando eu to assim. que merrrda. é o merrrda com o sotaque antigo de carioca. gosto tanto de ouvir "merrrda".
eu tenho o que? uns quinze minutos ainda? hum, isso é o máximo, vou entrar em êxtase. mas isso aqui não é pra pirar não. ah você iria me corrigir agora, ou melhor, você não me corrige, é mesmo, você não me corrige. isso é bom, mais um ponto positivo pra você. porra, tá crescendo hein!? o telefone tocou.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

do lenine.

que move o mundo sendo sentimental - sentimentaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaal

quinta-feira, 22 de julho de 2010

ansiedade

eu acredito (e entendo) que eu tenha coisas mais interessantes (e importantes) para fazer, mas você me deixa ansiosa, e porra, isso é foda.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

gosto

eu gosto do jeito que você escreve, o jeito que me olha, o riso, a mão, o toque, o cheiro - eu gosto do cheiro porque o cheiro, ah o cheiro, é o que me faz ficar assim - gosto também da tua voz, as suas piadas, o seu sorriso, os olhos, o olhar, o seu sentir, o seu sarcasmo. gosto muito da sua facilidade de imitar sotaques, gosto de quando fala "merrrda", sim "merrrda" com o seu quase e antigo sotaque carioca. gosto do seu beijo, do beijo que dá na minha nuca, de quando me cheira, de quando pega a minha mão, quando me abraça, quando me fotografa, quando me lê, me decifra. gosto, gosto de tudo isso.

uma ponta de felicidade

- Depois de muito tempo eu me sinto calmo.
- Como assim?
- Você já se sentiu muito feliz?
- Sim.
- Então, é disso que eu to falando.

***

- Sabe o lance da felicidade que você falou? Pois é.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

eu digo "Tchau"!

tchau. digo tchau sem dúvidas, aquelas de antes, que você lembra, lembra não lembra? então, essas mesmas, eu não tenho mais. lembro de muita coisa, mas esqueci de várias também. o que não vale a pena mais falar aqui, o que eu não queria escrever aqui, mas sitno essa necessidade agora e tenho que aproveitar que o meu botão de foda-se tá ligado, porque quando eu desligar, pode ser de vez. eu não quero que entenda eu só quero poder dizer "tchau" é só isso, eu só quero dizer "tchau". só isso. e Nando diz muito aqui pra nós.


Música do dia.

Porque eu senti saudade da voz do Nando.



E te dedico =) [mesmo sabendo que você não vai ver]


"Porque eu te quero
Porque eu te amo
Até quando?
Eu e você pudermos aguentar"

quinta-feira, 15 de julho de 2010

estamos entendidos?

você sabe como você fala comigo. eu não preciso te falar.


"NÃÃÃO"

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Música do dia.

Essa semana, conversando com uma amiga de anos, comentamos sobre as músicas que ouvíamos na escola. E me bateu uma baita saudade [às vezes, penso que sou movida a isso]. Incubus era uma das bandas. Lembramos que queríamos ir no show, mas ninguém tinha um puto furado para comprar o ingresso. Mas nos divertíamos com a ideia de pensar em comprar, de chegar tal hora na frente do local pra podermos ficar lá na frente e cantar todas as músicas rs. Acabo de rever um clipe que eu cantava [tudo errado, mas isso é só um detalhe rs]. Vai aqui um vídeo da música ao vivo e que nós deveríamos estar lá gritando como loucas rs.

sábado, 10 de julho de 2010

Música do dia.

Deixo aberta a porta desses meus olhos
Abro a janela das minhas mãos
Entre as pernas, entre e roube meu colo
Nesse lugar cabe um ladrão

Dentro dessa casa sobram os móveis
Nos lençóis que envolvem o meu colchão
Entre as pernas, deite sobre o meu colo
Nesse lugar, nessa imensidão

Faça sua sede
Mate a minha sede
Coma a minha fome
Com o seu nome
Tome o seu lugar


Tendo o nome que eu não sei chamar
Dentre os homens está em último lugar
Quente o inferno, invente o inverno e o verão
Semente latente, surpreendentemente enfrente o que não há

Leio a sua mente
Seja a minha lente
Como a sua fome
Com o meu nome
Tome o seu lugar

Feche a porta e me tranque no cofre
Nessa cela no mais fundo porão
Impeça o acesso, enterre no subsolo
Nesse lugar, minha dedicação

Aprendo o seu nome que eu não vou chamar
Somem os homens, estão em último lugar
Quente o inverno eterno sem conclusão
Somente cadente, displicentemente invente o que não há

Faça a sua sede
Mate a minha sede
Coma a minha fome
Com o seu nome
Leio a sua mente
Seja a minha lente
Como a sua fome
Com o meu nome
Tome o seu lugar

Danni Carlos
O Seu Lugar
Composição: Nando Reis

sexta-feira, 9 de julho de 2010

eu espero.

sou louca, completamente apaixonada. é aquilo que eu te falei uma vez, lembra? do amor incondicional. sou desvairava, louca de amor. quero você aqui, me segurando, me curando, me cuidando, me protegendo de todo o mal. sim, fazer o mesmo por você. nem que, para isso, demore os dez anos.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

só um desabafo

toma no cu? valew (Y).

eu tava precisando. mesmo.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Música do dia.



"And you say
"Sorry" like the angel
heaven let me think was you
But i'm afraid"


Composição: Ryan Tedder

éprapirar II

mais uma vez, tenha calma, isso é loucura. você sabe do que eu falo. estamos na mesma, estamos no mesmo jogo, precisamos só saber as cartas certas para começar a jogar sem errar. mas não sei, não é pessimismo, algo me diz o contrário, você também sabe o que eu falo. ah, mas você é complicado, fica me fazendo pensar demais, isso não é o que eu preciso, eu não preciso pensar muito e você tá me deixando assim, louca, perturbada, não sei a palavra certa, to pirando. tá bom, tá bom, mas você já sabe, eu não vou embora. ah saco.

domingo, 4 de julho de 2010

éprapirar I

como você vem me dizer que ele não percebe, claro que ele percebe e ele tem medo do que possa acontecer, entende? é sempre a mesma coisa, é um inferno, rui, você entende que eu to cansada dessas coisas, já não é a primeira vez, eu sei que não vai ser a última, eu só queria que as coisas fossem mais fáceis, que as pessoas entendessem ou tentassem, ou, ah ou nada. você me entende, mas você não me explica, não me dá respostas, eu tenho que ficar tirando as respostas de você e isso não é preciso mais entre nós, to cansada de você. já to cansada de te mandar embora também, se você não me ajuda, não me atrapalha, entendeu? é o seguinte, não, não, oh, vou explicar só mais uma vez, mesmo você sabendo disso antes mesmo de eu começar a contar, é um sentimento antigo e um sentimento que eu não queria sentir assim, não por ele, é que eu já senti e parece que tá voltando, ou que pode voltar, ou ai, não sei, está entendendo a minha agonia? a minha euforia? o meu desespero? não, não é? entende? porra, me explica, rui.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

laço desfeito.

Palavras que quimaram dentro do peito, dos olhos, dos ouvidos. Palavras que poderiam ser evitadas. Mas, agora não dá para apagá-las e isso tudo aqui diz o muito do nosso pouco.

"Um adeus, um lamento, uma grande saudade
Lá vou eu, à procura da felicidade
Quem errou, não importa, já virou passado
Nosso amor não vingou, está tudo acabado"

Laço desfeito
Diogo Nogueira