happines is found inside your heart.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Amargo

E eu perdi, perdi por impulso, faço as coisas por impulso, agora o que eu posso fazer, nada. Fui burra, mais uma vez, hoje a garganta dói, tem um peso nas costas, fiz a coisa errada, mais uma vez e quando será que eu vou conseguir fazer a coisa certa? Será que um dia as coisas mudam? E quem sabe tudo volta a ser como era? Não, eu perdi, mas ia perder se eu quisesse. Ok, eu entendi. Só que o que adianta eu falar tudo isso e não acreditar no que eu disser mais? Eu entendo, eu entendo perfeitamente. O ruim é não saber resolver as cosias, o problema é o tempo, sempre o tempo, e dizem que o tempo resolve tudo, mas também o tempo passa e passa rápido, se eu não for rápida, as coisas não vão ser mais como eram antes, tenho que lutar por aquilo que eu quero, mas se eu não for rápida, não vai dar, e quem vai acreditar em mim ainda? Ou melhor, você vai acreditar em mim ainda? Eu quero tudo diferente, não quero nada perfeito, mas diferente. Vontade de pegar um vidro de remédio, ou de entrar na frente de um carro em altíssima velocidade, ou pular de uma ponte, ou de fazer qualquer coisa pra morrer agora. Eu me sinto muito burra. Se você for ler e quiser me falar alguma coisa ainda, se quiser ouvir ainda alguma coisa, você sabe me achar, sei lá, eu sou estranha eu sei, eu já não to entendendo nada, acredito que você também não, não quero te forçar a nada, como eu disse, eu caguei e taquei no ventilador, agora tem merda por todo o canto, o foda vai ser limpar. Eu preciso de um médico, ou eu preciso ir embora dessa vida de vez, e a minha vontade é a segunda opção. Eu realmente preciso me tratar, sabe a inconstancia? E quando eu achava que eu não era nada incostante, mas porra, eu sou, eu sou e além de ser inconstante eu sou uma pessoa com milões de defeitos, uma pessoa perturbada, começo a acreditar que eu preciso de um médico psiquiatra, ou um psicólogo, mas eu preciso de um médico, todo mundo diz que eu tenho que fazer o que eu acho certo, mas eu não faço as coisas certas, não mesmo. Só depois de feitas que eu vou ver a cagada que eu fiz. Foda não adianta mais falar essas coisas eu perdi e agora tenho que conviver com esse peso nas costas, no coração. Acredito que seja tarde, como tá escrito antes, talvez o tempo resolva as coisas ou não, aí conviverei com esse amargo para o resto do meu ser, isso se eu não acabar com ele antes.

Um comentário:

Nanda disse...

Puta merda!!!
To vivendo +/- isso aí...

Vamos fazer terapia Tha! É o jeito!

Bj.