happines is found inside your heart.

sábado, 30 de maio de 2009

Nem sei o que eu posso fazer se eu encontrar você pela rua, pelo metrô, ou qualquer lugar que for. Só sei e quero que isso não aconteça. Pois se ela apagou dois cigarros na sua foto 3/4, eu apago nos seus olhos e ainda deixo um (por que não os dois?) roxo e o seu nariz quebrado.
Então, o recado está dado!

Nossa, como eu to brava, to uma cangaceira nata (rs)

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Algo de mais estranho para acontecer???

Ontem aconteceram coisas bizarras, não só ontem, essa semana...
Vamos lá, estão dispostos a ler? Acho que hoje vai ser grande kkkkk
Primeiro um sonho muito do estranho, não me lembro de foi de domingo para segunda ou se foi de segunda para terça, enfim. Como diz a minha bela “você é a mestre em sonhos estranhos”.

“Estava eu com um grupo de estudantes, mas que eu não conhecia ninguém. Estávamos num parque, ou no zoológico, não me lembro, lembro que era um lugar cheio de trilhas e tudo muito verde, muita natureza. Parava eu do lado de um moço e via o rabo de uma onça pintada (como pode, senhor?). E logo depois eu via um crocodilo gigaaante correndo atrás de mim”

Claro, depois disso tudo eu acordei, e, acordei com o coração palpitando, liguei para a minha mulher, contei o sonho [o pesadelo, né?!] querem mesmo saber o que ela fez? Ela riu de mim. Mas tudo bem nem falo nada, pois eu daria muito mais risada do que ela, eu sei, me conheeeeeeço.

Agora sim. ONTEM. Minha mulher (amor, desculpa tenho que falar) foi pagar a condução do ônibus com uma nota de R$ 10,00 (dééééiiiiz reaiis na carteira dele – Opa baixou a Vanessão aqui em mim), a cobradora um caminhããão (hoje estou escrevendo, realmente, do jeito que eu falo) não tinha troco, eu passei a catraca e minha mulher ficou do lado da frente, é tão ruim essa distancia entre nós. Veio um ser que estava no ônibus, sentada não sei onde e me falou:
“Quer ver se o meu cartão passa?”
Eu olhei para ela e fiquei com uma cara de “sim, por favor”, ela passou e a barreira que havia entre nós foi quebrada. Agradecemos à moça e sentamos, mas até agora eu não sei por que ela pagou a condução, fiquei com a pulga atrás da orelha, tive que postar aqui para alguém poder me ajudar a entender o porquê a moça fez isso.
Tudo bem, descemos do ônibus, fomos para o SESC, chegando lá, não podíamos comer porque iria acontecer um evento e estava fechada a comedoria do lugar, que legal né?!
Tudo bem, tudo bem, fomos para o shopping, eu precisava primeiro de tudo lavar a mão, porque, pessoas, uma coisa que eu o-d-e-i-o é ônibus e metrô, já que fui lavar a mão, fui usar o sanitário (ai hoje to muito besta, gente, mas por favor, leiam até o fim, ou não, se preferirem rsrs) não tinha lugar onde eu colocar a bolsa, odeio quando vou aos banheiros e não tem lugar para pendurar a bolsa, tá pensando o que?! Quando eu acabo de fazer o que eu tinha que fazer mesmo segurando minha bolsa não sei como, fui dar descarga, alguma louca protestante escreveu a seguinte frase
“POR FAVOR COLOCAREM ALGO PARA PENDURAR AS NOSSAS BOLSAS. NÃO SOMOS MALABARISTAS”
Ah dei risada, claro, eu queria ali o ganho para pendurar a minha bolsa, mas não faria isso, mesmo. Falei para a minha bela ler e enquanto eu lavava a minha mão (de novo? Sim!) ela me sai do banheiro e fala:
“Eu sei quem foi!”
Eu muito ingênua, respondo:
“Quem, amor?”
Ela irônica, olha para mim e dá uma risada sarcástica.
“Uma fulana aí, que gosta de ficar protestanto as coisas inúteis”
Eu dei risada, apenas.

Depois cheguei a minha casa, já havia tomado banho e colocado a minha roupa de dormir, já tinha dado boa noite para minha pequena, e só depois de uns trinta minutos minha mãe, o quarto dela é do lado do meu, me manda uma mensagem no celular assim:
“Tá tarde já, não é?”
Fui para o quarto dela e falei:
“Mão, já cheguei tem um bom tempo. Boa noite.”
Hoje ela me acorda às seis horas da manhã (vocês têm noção desse horário para a minha pessoa? Eu sei que isso vai mudar logo menos, mas não tinha que ser hoje) falando assim:
“Você não vai para a entrevista?”
“Que entrevista, mãe? Não é hoje não.”
Ligo para a minha bela, ela me fala que eu to estranha, depois fala que eu não estou mais (ela é linda).
Mas eu to feliz, está tudo dando certo, apesar dos pesares, tudo dando mais que certo.

Até que não ficou muito grande, só falei muita besteira rsrs...

Beijos, pessoas queridas e leitores (as) do meu blog amado! ;]

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Entenda de uma só vez...

Cansada de tanta coisa que aguentei, mas essa semana (ontem) dei um basta em tudo o que me fazia mal, pois sim VOCÊ me fazia muito maaal. E agora me sinto tão bem e feliz por ter deixado tudo isso pra lá...
Não te desejo mal, não mesmo...
Mas te desejo distância de mim...
E o meu passado? Ah, realmente esqueci e você foi um dos primeiros a sumir da minha mente, em todos os sentidos ok?

Ai, eu precisava falar!
Ufa, eu estou melhor e mais leve...

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Amnésia Alcoólica


Acordei com dor de cabeça e uma desconhecida ao meu lado. Reparei na moça, até que não era mal, estava ela deitada de barriga para baixo, o lençol cobrindo apenas as pernas, um corpo bonito, cabelos vermelhos, curtos, uma tatuagem de flores nas costa nas costas com um escrito abaixo “Surpreender!”, é nem tudo poderia ser perfeito. Levantei-me, coloquei uma camiseta que encontrei jogada pelo chão, fui até o banheiro e me olhei no espelho, eu estava totalmente acabada, restos de maquiagem nos olhos, molhei o rosto, escovei os meus dentes, tentando me lembrar do nome da fulana que estava na minha cama e passou a noite comigo. Acho que era alguma coisa com A: Amanda, Ana, Alice. Mais uma vez lavei o rosto, tentando tirar o restante de maquiagem da noite anterior. Voltei para o quarto a menina estava acordada sentada na cama com o lençol ainda, apenas, sobre as pernas.
- Oi. – Disse ela meio sem graça.
- Oi. – Respondi.
Na posição em que ela estava ela ficou, enquanto isso, fui a procura de minhas roupas pelo chão, meu quarto cheirava a sexo. Será que tínhamos transado tanto daquele jeito? - pensei.
Eu odiava a minha amnésia alcoólica, além de não lembrar o que eu tinha feito, não lembrava quem eu trazia para a minha casa, eu estava ficando perturbada e chegando a hora de parar de beber. Sentei-me na cama de costas para a Aline, Alessandra, Andréa. Senti uma mão em minhas costas e um beijo em minha nuca, me arrepiei com a pegada da fulana, confesso, mas eu não queria nada naquele momento, me virei e levantei ao mesmo tempo, dizendo:
- É... Amanda? Eu to com um pouco de dor de cabeça, e... sei lá, você... hum, tenho que arrumar toda essa bagunça, enfim.
Pelos olhos dela, ela parecia ter ficado brava, pegou as suas roupas, e as vestiu numa velocidade que nunca vi. Foi saindo do quarto, nem quis usar o banheiro, saiu feito uma bala. No momento em que fui passando pela minha sala e via a bagunça que estava a minha cabeça doía mais ainda.
Ela chegou até a porta, abriu e antes de sair me disse:
- A nossa noite foi muito boa, Renata, pelo menos pra mim. Ah, e o meu nome? É Alana!
Bateu a porta.
Falei baixinho para mim mesma e com a mão na cabeça:
- E o meu é Paula.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Eu decidi!

Vou ficar um tempo sem aparecer por aqui, sem escrever, sem nada, apenas deixando as pernas formigarem!
Sem saber em qual posição está.
E... é!

To com vontade de chorar e não sei porquê;
To brigando sem saber porquê;
Algo engasgado que eu não sei o que é!
Uma vontade de gritar, mas o grito não sai...
Escrever?
Só asneiras.
Não me perguntem o porquê!
Eu não vou saber responder nenhuma pergunta.
nenhuma, nada, necas!

Esqueçam o que está escrito nas primeiras linhas, está tudo próximo! E mesmo que sejam apenas asneiras, eu escrevo sim, assim me sinto melhor.

Eu tenho tantas perguntas e não tenho respostas... Eu nunca fui assim...
Essas coisas, esses sentimentos sempre me perturbaram, mas nunca foram assim, nunca me deixei levar por isso, nunca me permiti.

Flôr?

Por onde? O que anda passando do meu lado? Eu preciso de você aqui!
Eu descobri, é essa saudade infernal que não passa, que só machuca, que me ignora, preciso de você perto de mim para sempre...
Amor, eu to com medo! Eu tenho medo!
Jura pra mim, jura... baixinho no meu ouvido.
Eu to com medo, de verdade...

segunda-feira, 11 de maio de 2009

um desabafo!

Eu estou tão feliz...