happines is found inside your heart.

segunda-feira, 30 de março de 2009

Que vida é essa?

Estou aqui! Sentada na frente desse computador, depois de uma faxina e um banho [quente, muito quente – o calor está grande aqui na cidade de São Paulo rs, mas eu odeio banhos mornos/frios], enfim, o meu banho não vem ao caso.
Estou qurendo desabafar, então vai.
Mamis chegou de viagem recentemente, parece que a viagem não fez muito bem, pois ela anda muito estressada, tudo bem. Tem a filha de 18 [quase 19] anos em casa, desempregada, para ser exata, sem estudar [é pessoas, tranquei o meu curso] e só para tudo melhorar, lesbian.
Mas não estou aqui porque quero, não estou desempregada porque quero, se eu pudesse não teria trancado o curso.
Hoje [e sempre que estou aqui] ajudei ela fazer a faxina. Fiz tudo o que eu podia, mas parece que não está tudo bem, ela fica de cara feia para mim, por que será? Por que eu estou aqui na frente do pc e não a ajudei a jogar a água na cozinha? Você podem pensar que o meu ‘ajudar’ é: lavar a louca, mas não, fiz tudo mesmo, enquanto ela lava a roupa, eu faço o resto, tirar pó, passar pano, lavar e secar a louca, varrer, passar mais pano, é uma faxina.
Eu só queria conseguir entendê-la. E queria um emprego também, ficar em casa e ver essa cara todos os dias como se a culpa do mundo ser como é fosse minha, não dá. Não dá mais não rs.
Ai, que vida é essa?

Acho que depois disso, vocês conheceram [pouco] mais a Flor ^^

quarta-feira, 25 de março de 2009

Complete a frase I

Só para descontrair =D

Eu queria muito chupar...

[depois eu coloco aqui a melhor resposta]

A melhor resposta foi:

.
.
.
.
.

...uma Pitanga (com P maiúsculo) [Má] hahahaaha

quinta-feira, 19 de março de 2009

Fotografei todas as suas poses, todos os seus sorrisos, gestos e expressões.
Fiz um filme de todos os nossos momentos, sua voz, tão linda!
Está tudo guardado (em meu pensamento)!


Flôr de Azeviche

terça-feira, 17 de março de 2009

Sentidos


A minha visão, só vê o teu rosto.

O meu paladar, só sente o teu gosto.

O meu tato só procura o seu toque.

A minha audição, só ouve a tua voz.

O meu olfato, só sente o teu cheiro.

Os meus sentidos só procuram, sentem e querem você!



Flôr de Azeviche

terça-feira, 10 de março de 2009

Carta para ninguém IV

Eu achei que eu fosse demorar muito mais para dizer isso, mas não e eu estou aqui, lhe escrevendo para dizer que o meu amor por você acabou.

Acabou toda a beleza que eu via em teus olhos, toda a ternura do seu sorriso, toda a perfeição do teu corpo. Acabou!

Acabou toda a leveza da minha voz, todos os meus mimos e carinhos, toda a minha vontade de estar ao seu lado. Acabou!

Acabou tudo, todas as lembranças dos momentos bons e ruins (ainda bem), todas as minhas vontade de saber sobre a sua vida, a vontade de rever nossas fotos para lembrar desses tais momentos. Acabou!

O bom de tudo isso, é que eu sei e tenho certeza (hoje) que esse amor não voltará. EU sei.

Hoje eu posso dizer com firmeza, clareza e todas as letras:

EU NÃO TE AMO MAIS!

terça-feira, 3 de março de 2009

Hoje eu tive uma lembrança

Hoje estava com muita vontade de ver a minha amiga C., somos amigas de infância e moramos perto uma da outra.
Liguei para ela e falei:
“Vai ficar em casa, C.?”
“Vou sim.”
“Ta bom, vou descer aí.”
Desci, comprei umas cervejas (hoje em São Paulo está muito calor).
Com alguns minutos de conversas jogadas fora, escutamos um barulho de chuva, aquela chuva de verão.
Paramos a conversa, olhamos uma para a outra e sem nenhuma palavra trocada, corremos para o quintal e entramos em baixo da chuva. Parecíamos duas crianças! Corríamos de um lado para o outro, dávamos gargalhadas, fazíamos peripécias para escorregar.
Essas coisas que lembraram muito da minha infância, da nossa infância, uma lembrança boa (que é algo difícil de acontecer), lembrei dos meus dez ou onze anos ao lado da minha amiga C.
Não sei se ela também lembrou daquela época de nossas vidas, mas foi muito bom e engraçado ver duas amigas adultas brincando como duas crianças numa tarde chuvosa de verão.